Festa de São Pedro e Homenagem ao Pai Geraldo

Amigos da Casa de Jurema,

Sábado dia 29 de junho teremos a Festa de São Pedro e a Homenagem ao Pai Geraldo. 


História de São Pedro




“No mundo inteiro, comemora-se no dia 28/29 de junho o padroeiro da longevidade: São Pedro. Era discípulo de Jesus e, após a morte deste, tornou-se líder dos apóstolos. Seu nome aparece no Novo Testamento, não como Pedro, mas “Simão”, filho de Jonas que ganhava sua vida no mar como pescador, na Galiléia. Quem o apresentou a Jesus fora seu irmão, André.

Nascido em Betsaida, casado e morador de Cafarnaum. Quando Jesus o conheceu, disse-lhe que a partir de então não seria mais pescador de peixes, mas de homens. Mais tarde, durante o ministério de Jesus, o nome Simão foi trocado por Cefas/Kephas – Pedro e significa “Pedra” (João 1, 42). O significado seria entendido mais tarde, pois esta designação serviu para a pedra (base) sobre a qual a Igreja foi construída.
Assim como os outros apóstolos, Pedro teria o poder para unir e separar, mas só ele recebeu as chaves das portas do céu.

No Novo Testamento, Pedro aparece como o primeiro discípulo de Jesus, testemunha dos acontecimentos mais importantes do ministério do mestre. Embora tenha traído Jesus ao negar que O conhecesse perante os oficiais do Sumo Sacerdote judeu, após a Ressurreição Jesus apareceu-lhe antes de aos outros apóstolos e ordenou-lhe que cuidasse da Igreja: Apascenta as Minhas ovelhas. Apascenta os Meus cordeiros.

Pedro seguiu as instruções, tendo pregado às multidões, realizando milagres em nome de Cristo. Foi chefe da comunidade cristã em Jerusalém, após a morte de Cristo; como tal, foi preso duas vezes (AT 4,3 e v.18), sobreviveu à prisão por Herodes Agripa e, tendo ido em visitas missionárias a Samaria e Antióquia, tornou-se o primeiro bispo desta última cidade (apesar que os bispados vieram a se concretizar apenas no século 2) por sete anos.

Muitas fontes afirmam que ele fundou a Igreja de Roma, que foi martirizado e enterrado na zona do Vaticano. A Basílica de São Pedro, em Roma, é a única que possui suas relíquias.

Simão (Pedro) declarou: “Tu és Cristo, o filho de Deus”. Jesus disse: ” Tu és Pedro, e sobre essa pedra edificarei minha igreja”. E assim conferiu-lhe as chaves do reino do céu e o poder de ligar e desligar, mais tarde estendendo aos outros apóstolos. Venerado como o porteiro do céu — motivo invocado para se ter uma vida longa.”

Texto de Monica Buonfiglio.




Simpatias


São Pedro é conhecido como o Guardião das Portas do Céu por isso muitas pessoas fazem simpatias para conquistar a casa própria. Corre que dá tempo de fazer!

Simpatia das chaves de cera

No dia de São Pedro, faça esta simpatia pra comprar a casa própria. Compra duas chaves de cera na Igreja de São Pedro. Ajoelha com as duas chaves de cera na mão em direção à imagem e peça: “glorioso São Pedro, porteiro e chaveiro do céu, te ofereço esta chave para que abras para mim o caminho para eu conseguir comprar minha casa”. Em seguida, reze um Pai-nosso. Assim que comprar a casa, leve a outra chave de cera e deixe no mesmo local onde esteve agradecendo ao santo a graça alcançada.



Simpatia da chave embaixo do travesseiro


No dia de São Pedro, coloque uma chave nova debaixo do seu travesseiro. Embrulhe-a em um papel branco com três pedidos e descreva como você desejaria que fosse sua nova casa. Deite-se e mentalizando que São Pedro e seus anjos estarão durante a noite procurando a casa dos seus sonhos.


Pontos de São Pedro

Pescador, pescador.
Pedro foi um grande pescador.
Com seu barquinho, pescou muitos peixinhos
E agora pesca as almas
Pro rebanho do Senhor.
Segura a chave, São Pedro, segura a chave.
Segura a chave da Choça de Jurema.
Abre as portas do céu,
Abre as portas do céu,
Pra que seus filhos possam entrar.


Quando São Pedro andou na Terra,
Foi um grande pescador.
Levava seu barquinho em alto mar,
E pedia proteção ao Senhor.

Quando Jesus apareceu,
E viu Simão Pedro a trabalhar,
Disse – Larga a rede e me acompanha,
Que eu te farei um pescador de almas.



Festa de São João e Homenagem ao Mestre Zalaô!

Amigos,

Amanhã nossa Casa estará em festa, pois é dia de São João Batista e também é dia de homenagear o nosso grande orientador espiritual, Mestre Zalaô!

Todos estão convidados a participar dessa linda gira e a passar pela fogueira Santa de São João!

NÃO SEI O QUE ME LEVA A PENSAR
QUE ESTE GUIA É SIMPLESMENTE ESPETACULAR
NÃO TIVE IDADE PARA ACOMPANHAR
POIS OS SEUS FEITOS SÃO
CONHECIDOS EM TODO LUGAR
HOJE FALAMOS DELE COM
                                MUITO LOUVOR E AMOR                                
POIS SEU NOME É
MESTRE ZALÔ!
(O Servidor)



Fogueirinha Santa,
Fogueirinha de João.
Todo o Reino está em festa,
Festejando São João.

AMOR, IMBATÍVEL AMOR

O amor é substância criadora e mantenedora do Universo, constituído por 
essência divina. 
 É um tesouro que, quanto mais se divide, mais se multiplica, e se 
enriquece à medida que se reparte. 
 Mais se agiganta, na razão que mais se doa. Fixa-se com mais poder, 
quanto mais se irradia. 
 Nunca perece, porque não se entibia nem se enfraquece, desde que sua 
força reside no ato mesmo de doar-se, de tornar-se vida. 
 Assim como o ar é indispensável para a existência orgânica, o amor é o 
oxigênio para a alma, sem o qual a mesma se enfraquece e perde o sentido de 
viver 
 É imbatível, porque sempre triunfa sobre todas as vicissitudes e ciladas. 
 Quando aparente — de caráter sensualista, que busca apenas o prazer 
imediato — se debilita e se envenena, ou se entorpece, dando lugar à 
frustração. 
 Quando real, estruturado e maduro — que espera, estimula, renova — 
não se satura, é sempre novo e ideal, harmônico, sem altibaixos emocionais. 
Une as pessoas, porque reúne as almas, identifica-as no prazer geral da 
fraternidade, alimenta o corpo e dulcifica o eu profundo. 
O prazer legítimo decorre do amor pleno, gerador da felicidade, enquanto o 
comum é devorador de energias e de formação angustiante.
 O amor atravessa diferentes fases: o infantil, que tem caráter possessivo, 
o juvenil, que se expressa pela insegurança, o maduro, pacificador, que se 
entrega sem reservas e faz-se plenificador. 
Há um período em que se expressa como compensação, na fase 
intermediária entre a insegurança e a plenificação, quando dá e recebe, 
procurando liberar-se da consciência de culpa. 
O estado de prazer difere daquele de plenitude, em razão de o primeiro ser 
fugaz, enquanto o segundo é permanente, mesmo que sob a injunção de 
relativas aflições e problemas-desafios que podem e devem ser vencidos. 
Somente o amor real consegue distingui-los e os pode unir quando se 
apresentem esporádicos. 
A ambição, a posse, a inquietação geradora de insegurança — ciúme, 
incerteza, ansiedade afetiva, cobrança de carinhos e atenções —, a 
necessidade de ser amado caracterizam o estágio do amor infantil, obsessivo, 
dominador, que pensa exclusivamente em si antes que no ser amado. 
A confiança, suave-doce e tranqüila, a alegria natural e sem alarde, a 
exteriorização do bem que se pode e se deve executar, a compaixão dinâmica, 
a não-posse, não-dependência, não-exigência, são benesses do amor pleno, 
pacificador, imorredouro. 
Mesmo que se modifiquem os quadros existenciais, que se alterem as 
manifestações da afetividade do ser amado, o amor permanece libertador, 
confiante, indestrutível. 
Nunca se impõe, porque é espontâneo como a própria vida e irradia-se 
mimetizando, contagiando de júbilos e de paz. 
Expande-se como um perfume que impregna, agradável, suavemente, 
porque não é agressivo nem embriagador ou apaixonado… 
O amor não se apega, não sofre a falta, mas frui sempre, porque vive no 
íntimo do ser e não das gratificações que o amado oferece. 
O amor deve ser sempre o ponto de partida de todas as aspirações e a 
etapa final de todos os anelos humanos. 
O clímax do amor se encontra naquele sentimento que Jesus ofereceu à 
Humanidade e prossegue doando, na Sua condição de Amante não amado.

Hoje é dia de festejar o Amor! Feliz 12 de Junho! 

Créditos: Amor, Imbatível Amor. Divaldo Pereira Franco. Ditado pelo espírito Joanna de Ângelis. 

Sessão na Mata: 1ª parte – Agradecendo a Ogum!

No último domingo tivemos um dia abençoado pelas energias da Natureza, dos Orixás e dos nossos Guias espirituais durante a sessão na Mata em louvor a Ogum e aos Pretos Velhos.


Sete caminhos andei. Por sete perigos passei. Sete demandas venci. Junto ao meu lado, Pai Ogum com sete espadas pronto pra me defender. Seus cavaleiros armados, com sete espadas de ouro, com sete lanças de prata. Saravá Ogum! Vendedor de demanda! Segura nossa Terra, meu Pai, General de Umbanda!

Festa de Pretos Velhos 2013

Amigos da Casa de Jurema, abaixo algumas imagens da linda festa, realizada no dia 20 de maio, em homenagem aos nossos amados Vovôs e Vovós. 
“Eles vivem no meio das flores, olhando o Céu, beirando o Mar.
Eles são Pretos-Velhos de Umbanda que vem de Aruanda para trabalhar.”
Adorei as Almas!