Bem Vindo

Bem vindo ao site do Centro Espírita Casa de Jurema.

O intuito desta página é mantê-los informados sobre nossos dias e horários de sessões (festivas ou regulares), assim como trazer informações a respeito da Umbanda, fotos das nossas sessões festivas, entre outros informativos.

Confira abaixo nossa agenda.

Paz e Luz.

Apadrinhe uma criança

Bom dia pra todos!

Ainda dá tempo para apadrinhar uma criança ou doar um quilo de alimento não perecível ou uma cesta básica! Participe e faça o Natal de uma família mais feliz. ❤

Embreve serão divulgadas as fotos das festas de Iansã e Oxum.

Uma ótima semana a todos! E sexta-feira teremos sessão de Caboclos.🌻

Salve Nossa senhora da Conceição! Salve mamãe Oxum!


Oxum, senhora das águas e protetora da maternidade é sincretizada, no catolicismo, com Nossa Senhora da Conceição, ambas homenageadas no dia de hoje, 8 de Dezembro.

Que mamãe Oxum cubra sobre nós seu manto de muito amor e carinho. Que sua candura esteja sempre em nossos corações!

E hoje é dia de festa!

• Às 17h sessão das crianças, com passe dos amados pretos velhos.

• Ás 18h Festa de Oxum, com passe dos caboclos.

Venham e sintam essa linda energia do dia de hoje!

“Eu vi uma enorme Estrela,
Neste Congá,
Era uma estrela azul,
Era o manto sagrado,
Oi saravá bendito,
De Mamãe Oxum”

Ora ieieu mamãe Oxum

Hoje é Dia de Santa Bárbara, Iansã na Umbanda!

Hoje é o dia de festejar nossa Guerreira Iansã!

A Iabá que nos ajuda a vencer as batalhas mais duras e não nos deixa desanimar!
17h – Sessão de Crianças (com passes para as crianças)
19h – Festa de Iansã (com passes para adultos)

Na Umbanda, Santa Bárbara é representada pelo Orixá Iansã. Ela é uma guerreira poderosa, é a Deusa da espada e do fogo, senhora dos ventos, tempestades, trovões, raios, ciclones, furacões, vendavais, e também dos espíritos desencarnados.

Santa guerreira que ao meu lado caminha
Com sua taça de ouro e sua espada na mão
Você és para mim toda riqueza, venero sua beleza
Guardo-a em meu coração,
A sua saia quando roda irradia
És dona da Ventania é a Rainha Trovão com meu Pai Xangô
Iansã faz a morada, ela roda sua saia quando Ogum toca Alvorada
Eparrei parrei Oyá
Saravá mãe Iansã ela é rainha

Ela é orixá”

Fotos do encerramento da Escolinha do Pai Geraldo 2019

No último sábado, dia 23 encerramos nossas atividades da Escolinha esse ano e fizemos uma linda festa para as nossas crianças repleta de brincadeiras, apresentações dos meninos do atabaque e da Moana. Com muita alegria, amor e diversão!

Conheça a história da Moana, associada a nossa Cabocla Jurema.

Moana

Moana é uma adolescente que vive com sua família em uma ilha de Motu Nui, na Polinésia. Desde pequena se sentia atraída pelo mar e com isso, surge nela um grande desejo de navegar além dos recifes e descobrir o que a esperava por lá, porém, seu pai, o líder da tribo, a proibiu de qualquer viagem além do recife, dizendo a ela que o lugar mais seguro era ali, além de que ela seria a nova líder do povo, criando assim novas responsabilidades para a personagem.

A história começa a mudar quando sua avó de Moana mostra uma caverna secreta, onde se encontravam barcos à vela que seus antepassados criaram, descobrindo assim, que eles eram viajantes.

Moana recebe o coração de Te Fiti, a deusa que cria a vida, que foi roubado pelo semideus, Maui, e que com isto espalhou desolação e destruição na ilha. Resolve então partir para além dos recifes, a fim de encontrar Maui e assim reestruturar a vida e a natureza que vinham se perdendo por causa da maldição. Quando eles se encontram, resolvem começar uma jornada em mar aberto, onde enfrentam terríveis criaturas marinhas, e diversas aventuras pelo mar. Depois Moana retorna à sua ilha, onde tudo volta ao normal.

A história trabalha a ideia de superação, empoderamento feminino e também sobre a liberdade de escolhas, pois Moana e Maui transmitem que a coragem e o desejo de fazer a coisa certa estão dentro deles, e que isso se torna fundamental para resolver qualquer problema.

Na nossa Casa de Jurema podemos fazer um breve comparativo entre Moana e a Cabocla Jurema, pois a nossa Mentora e Protetora espiritual também era filha de um grande guerreiro Caboclo Tupinambá e vem do mar, com a proteção de nossa Mãe Iemanjá. Podemos ainda dizer que a Cabocla Jurema representa a força feminina, a superação, a determinação, a liberdade de escolha e ainda que, como representante indígena trabalha com as forças da natureza e como Moana respeita o mar, a fauna, a flora e protege o meio ambiente.

Salve nossa Mãe Jurema que protege a nossa Escolinha junto com o Pai Geraldo e todos os trabalhadores da nossa Casa.

Apadrinhamento para o Natal do Pai Geraldo 2019

Todos sabemos o quanto a Umbanda nos fortalece espiritualmente nos auxiliando a enfrentar as dificuldades da vida.
Mas a Umbanda, através do trabalho de assistência realizados por diversos terreiros, assim como a nossa Casa de Jurema, auxilia materialmente, nossos irmãos e irmãs que se encontram em situações de vulnerabilidade, precisando de alimentos, roupas, calçados, material escolar, entre outros itens.
Por esse motivo insistimos e regularmente divulgamos aqui as ações sociais realizadas pela casa e o quanto é essencial a participação de todos para que possamos seguir ajudando a que precisam da Umbanda. Não apenas espiritualmente mas materialmente também.

Em dezembro realizaremos a festa de Natal e as crianças apadrinhadas recebem um brinquedo, uma roupa e um calçado.
Além do apadrinhamento as famílias assistidas pela Casa recebem uma cesta de Natal.
Se você puder nos ajudar, procure a secretaria da Casa de Jurema!
Gratidão!
Saravá Umbanda!!!!

Se Exu é do bem, por que trabalha nas trevas?

“Onde é preciso mais amor, na mãe que leva o filho pra faculdade ou na que visita-o na cadeia? Aquele que desce as trevas também o faz por amor. Mesmo que isso não esteja verbalizado na palavra de Exu. No momento que você estende a mão e diz vem comigo, vou lhe ajudar, vou te tirar da onde você está, vou lhe levantar, é a Lei. Aquele que está caído, que se arrasta, que faz o mau ou que está perdido não é Exu.”

Pai Alexandre Cumino

Bom dia! Deixo hoje mais um texto interessante falando sobre nossos guardiões e explicando o porquê trabalham nas trevas. Que vocês possam ter um bom entendimento e uma ótima leitura. Lembrando que hoje teremos gira de Exu às 19h. Esperamos vocês lá!

Pólos Positivos, Negativos e Neutros

Em toda Criação iremos encontrar os pólos magnéticos que tanto absorvem quanto irradiam determinadas energias. Sendo assim nós temos a energia positiva, a negativa e a neutra.

Nenhuma delas refere-se ao “bem” ou “mal” propriamente, até porque o conceito de bondade e maldade não é algo que possa ser mensurado e normalmente consideramos o que culturalmente nos é posto, por isso pólos negativos, positivos e neutros estarão presentes em toda Criação.

Entretanto, tanto nas dimensões paralelas à nossa quanto em nosso corpo esses pólos determinam a natureza energética a qual emanamos. Entende-se que o nosso corpo comporta um tipo de energia do lado direito que corresponde ao nosso consciente e racionalidade e outra do lado esquerdo, este por sua vez está ligado ao inconsciente e as emoções.

Alguns estudos, inspirados na filosofia chinesa de Yang e Yin sobre leitura corporal, argumentam que nossos impulsos são influenciados pela relação direita-esquerda entre o cérebro e o corpo.

Nessa concepção esses dois lados estão interligados, sendo o lado direito do corpo correspondente ao lado esquerdo do cérebro e ainda responsável pela expressão de racionalidade e produção do ser e o lado esquerdo do corpo ligado ao hemisfério cerebral direito, correspondente às emoções e vontades do ser.

Esse mesmo efeito, de formas de energia que se diferem entre direita-esquerda, acontece entre as dimensões ou realidades paralelas, onde os seres serão atraídos magneticamente para o que também pulsa em si.

Direita e Esquerda na Umbanda

Deus está em todas as faixas vibratórias, do alto, do embaixo, da esquerda e da direita, sendo o ponto de referência para essa organização ou o “marco zero” de tudo, a faixa vibratória onde nós humanos nos encontramos.

Para baixo estão o que chamamos na Ciência Divina de: Tronos Opostos dos Orixás. Se você ascende em virtude “caminha” em direção à luz e ao alto (que vibratoriamente é onde estão os Orixás regentes) seu espírito estará cada vez mais desapegado da matéria, dos sentimentos humanos e dos seus instintos. Seu “corpo” nessa percepção vai se tornando cada vez mais sutil e o espírito tende a se transformar em luz. Vale destacar que esse processo é algo muito longo e o tempo para que um espírito evolua para esse estágio, não é possível nem ser mensurado por nós.

Agora, no outro lado da moeda temos o ser que é consumido pelos seus vícios e decaí no seu negativismo. No plano espiritual seu magnetismo vai leva-lo, como se o seu espírito fosse o ferro que é atraído pelo imã, para faixas vibratórias abaixo do marco zero.. lá se encontram as trevas humanas. Nesses “ambientes” os seres podem agregar a si formas animalizadas, por isso os diversos relatos de espíritos humanos com aspectos animalescos.

“Toda queda vibratória mental implica um deslocamento para baixo e para esquerda, mas já dentro das faixas vibratórias negativas. Mesmo havendo dois planos distintos, ainda assim dentro deles existem faixas vibratórias com seus níveis e subníveis vibracionais ou conscienciais.”

Livro de Exu, Rubens Saraceni

É importante lembrar que todas essas faixas tem uma função na criação, sendo a treva responsável por depurar os seres negativados em seu emocional.

São nessas faixas, como dito, que se encontram os Tronos Opostos dos Orixás que operam também nesse sentido, onde cada um, em seu aspecto, age absorvendo os negativismos dos seres desvirtuados.

“Há Tronos do Embaixo, há Divindades que são opostas aos Orixás e todos eles a serviço de Deus. Porque o Trono Oposto ao amor não gera o ódio, ele absorve o negativismo de quem ali cai. O Trono Oposto a fé absorve a ilusão dos iludidos e dessa maneira eles atraem os caídos, assim como os Orixás atraem os virtuosos e tudo isso está no plano da Criação, tudo tem a sua função.”

Pai Alexandre Cumino

Dentre as 7 faixas do alto e as 7 faixas do embaixo, existem as paralelas: esquerda e direita. Pai Alexandre Cumino comenta sobre essas realidades dizendo que trabalham à esquerda entidades especialistas em lidar com o nosso negativismo e isso não quer dizer que elas sejam em si a energia negativa, mas que lidam com esse lado dos seres em nome de Deus.

“Alguém precisa descer as trevas e fazer esse trabalho. Você precisa de um médico, mas precisa também de um policial. Você precisa de um filósofo, mas precisa também de um carcereiro. Então há de ter quem desce as trevas e não apenas quem sobe a luz. Há de ter aqueles que nos orientam pela mão direita e aqueles que nos orientam pela mão esquerda. Os dois estão nos orientando. Pela direita trabalhando minhas virtudes, pela esquerda trabalhando meus vícios.”

Pai Alexandre Cumino

Exu, Pombagira, Exu-Mirim e Pombagira Mirim são especialistas em corte de demandas e magia negativas e isso acontece porque a maioria dessas agressões são o resultado de emocionais totalmente dilacerados em negativismo, porque mesmo se utilizando do seu racional para promover o mal ao outro, quem agride é sempre alguém infeliz, que se encontra desequilibrado em seus sentimentos.

A esse trabalho se presta os Guardiões de Umbanda, que trabalhando nas trevas do ser e transitando entre realidade hostis, tem o conhecimento de causa de quem já passou pelos mesmos desalinhos e de quem convive com essas angústias de perto.

“Atuam sob a irradiação de mistérios contadores e esgotados do negativismo de seres naturais e espíritos que regrediram tanto que muitos chegam à beira da loucura. Nesse vasto campo negativo também atua o mistério que denominamos Exu, com seus guardiões e com seus manifestadores naturais e espirituais.”

Livro de Exu, Rubens Saraceni

Ao tocar o dedo na ferida, adentrar seus medos, traumas, egos e arrogâncias traz à tona tudo aquilo, que busca esconder-se de si mesmo, aquilo que o inconsciente repetidamente te lembra antes de dormir.. aquilo que abala e também que tira a paz.

Exu não vai deixar de trabalhar nas trevas?

É sabido que Exu teve sucessivas encarnações, ou seja, já teve a oportunidade de cursar a “escola da vida” nesse plano por diversas vezes, e depois de sofrer a queda vibratória consciencial e se estabelecer nas trevas, se “especializa” em alguma atividade nesse ambiente que chamará a atenção da Lei Maior.

Nesse momento, esse espírito é convidado a retomar ao caminho evolutivo e depois de tomar o posto de Guardião desenvolvendo trabalhos a comando da Lei Divina e já na condição de Exu, atinge um ponto de consciência que vai lhe permitir mudar a “banda”.

Lembrando que esse processo não é algo tão simples como o descrito e pode ser que nesse meio tempo Exu reencarne, sim, é possível que isso aconteça e o que ele fizer a partir dessa vida terrena, irá decidir como ele também retornará ao plano espiritual.

Retomando o processo: Exu pode reencarnar e também pode sair das faixas vibratórias da Treva e evoluir em consciência. Há muitos relatos de boiadeiros que eram Exus e hoje cursam o caminho evolutivo neste grau, considerado uma linha transitória entre direita e esquerda na Umbanda.

É importante ressaltar também, que mesmo que Exu seja um Guardião e perto de nós um Mestre, um Mentor ou um Guia espiritual, chega um momento em que as trevas já não são o ambiente em que eles devam estar.

A treva é uma realidade configurada pela estrutura humana que em decadência tornou existente um ambiente hostil e que abriga os seres negativados em suas emoções. Nessa atmosfera, não é possível que um espírito tenha o aparato necessário para se tornar um ser ascencionado em toda a sua potência, por isso é tão necessária a mudança de grau, para que a ampliação de consciência daquele espírito tenha vias de acontecer.

Se deslocar de uma realidade para a outra ou de um grau para outro é algo extremamente complexo e impossível de ser contato a partir do nosso tempo ou mesmo entendido em toda sua verdade por nossa compreensão humana terrena.

Aqui deixamos alguns pontos do que existe nessas realidades e que fazem parte da existência dos nossos Guardiões. Não com a intenção de findar, mas sim de ter uma compreensão mais particular desse universo.

Fonte: site Umbanda ead

O desânimo

Um dos principais inimigos do nosso crescimento é o desânimo. Todo mundo o conhece, porque recebe sua visita ao menos uma vez por mês. É normal sentir o desânimo atacar. Faz parte do movimento das coisas. O verdadeiro desafio, no entanto, é resistir a ele, estar preparado e não deixá-lo abalar nossos projetos.

Vamos entender que há um ciclo em nossas emoções. Toda vez que começamos a fazer alguma coisa nova, sentimo-nos entusiasmados, empolgados e até ansiosos. Queremos que nossas aspirações se realizem de imediato, e aceleramos nossos passos. Há esperança, segurança, fé.

Mas, ao passar de alguns dias, vêm as dúvidas. Ficamos inseguros, temerosos, questionando-nos se estamos no caminho correto. O desânimo se instala e o nosso julgamento da realidade fica prejudicado. Duas opções se apresentam: desistir ou continuar.

O que podemos fazer é estar preparado para o desânimo. Compreender este ciclo. Ter a consciência de que esses estados emocionais não são permanentes. Se hoje estamos nos sentindo incertos, amanhã o ânimo retornará, mas para isso, precisamos nos manter firmes em nossos propósitos, apesar dos sentimentos. É preciso ter inteligência emocional para lidar com o fluxo inconstante dos sentimentos, do contrário, dificilmente conseguiremos concluir alguma coisa.

O mesmo acontece quando há cansaço, físico ou mental, mau humor, jornadas de trabalho pesadas, entre outras situações desgastantes. São ocasiões em que se exige mais de nós para mantermos nossas práticas e valores espirituais em atividade. É muito mais fácil estar firme quando tudo vai bem.

A força está, contudo, em manter a chama da espiritualidade acesa em meio às adversidades da vida. Quando podemos, de fato, colocar nossos saberes em prática. É importante, no entanto, sermos gentis com nós mesmos: não nos cobremos perfeição. Apenas vamos cultivando a luz ao longo do caminho.

O tempo da espiritualidade é diferente do nosso. Os problemas vão se ajeitando pouco a pouco, criando uma base firme e sólida. Tudo é na hora certa. Mas para isso é necessário a firmeza de continuar, dar o passo seguinte, mesmo que sinta insegurança, medo, dúvidas no caminho. Lembre-se: esses sentimentos não são permanentes, em breve o ânimo retorna.

É um passo de cada vez. Cada manhã traz uma batalha, mas também traz oportunidades de nos aprimorarmos. Todo dia podemos pôr em prática aquilo que vai nos fazer crescer, desenvolver nossos projetos e alcançar nossos objetivos. No entanto, paciência. O tempo é soberano, não pode ser burlado, porquanto é manifestação da lei de Deus. E isso, a longo prazo, acarreta grandes resultados. Acumulamos maravilhosos tesouros espirituais. O caminho da evolução é uma jornada muito, muito, muito extensa. Não há atalhos, não há outra opção a não ser percorrê-lo.

E nessa luta diária, o nosso maior inimigo somos nós mesmos. Exige-se um autoenfrentamento. Enfrentar a ignorância, a ilusão, aquilo que nos atrasa. Enfrentar as emoções, quando elas não estiverem do nosso lado. Estar vigilante quanto ao desânimo. Muitas vezes, ele não se instala de uma vez, mas pouco a pouco. Por este motivo, precisamos combatê-lo ao seu primeiro sinal. Não esperar ele ganhar força. Porque uma vez estabelecido, o desânimo nos paralisa.

Outra coisa, a nossa força de vontade também não é constante. Ela não dura para sempre. Tal como um combustível, ela se gasta e é preciso recarregá-la. Por isso, não podemos depender inteiramente dela. Mas agir com estratégia. Usar nossa força para criar condições materiais e emocionais que tornem cada vez mais fácil continuar com nossas práticas e valores espirituais.

A fé é essencial. O nosso primeiro e último recurso. Entregar-se a Deus, deixe nas mãos dele o dia de amanhã. Por esta razão, nada de soluções imediatas. Deixe para resolver o futuro quando ele chegar. Antes, busque a cada dia, trazer a alegria para a vida.

Tenha firmeza, isto é, continuar o seu caminho, em direção ao seu propósito maior, aquilo que vai fazer você evoluir, onde quer que esteja, com quem você estiver. Mas não confunda isso com resistência à mudança, pois é necessário muita flexibilidade e criatividade em nossa jornada!

Por fim, deixo um pequeno exercício, para ser praticado sempre que se desejar. Apenas repita:

“Sou mais forte que o desânimo. Estou preparado a ele. Tenho fé em Deus e confiança em mim mesmo. Com firmeza, continuo meu caminho. De passo em passo, aproximo-me do Pai Maior. Meus projetos rendem bons frutos e sou vitorioso”.

Por : Espiritualidade e Autoconhecimento

O objetivo da Umbanda não é realizar os nossos desejos materiais

A Umbanda é uma religião, e como tal busca a espiritualização do ser humano. As entidades não são “gênios da lâmpada mágica”, onde você pode fazer qualquer pedido, e elas se prestarão a cumprir imediatamente. Os guias, da mesma forma, não estão disponíveis para barganha: não importa o que você ofereça, jamais farão o que não condiz com as leis de Deus.

As entidades da Umbanda são, antes de tudo, guias espirituais. Isto é, possuem a missão de nos orientar, nos ensinar, auxiliar a Terra em seu processo de evolução. Embora usem de formas astrais simples e humildes, os guias são espíritos que já conquistaram grande adiantamento nas jornadas da vida.

Temos que saber aproveitar a grande oportunidade de estar próximo dessas entidades. Não para buscar a satisfação de nossos interesses materiais, mas sim, obter um pouco de sua ampla sabedoria. Isso vale mais do que todo o ouro da Terra. Quando desencarnarmos, nada levaremos para o outro plano, senão todo conhecimento e elevação que alcançarmos.

Há uma razão para termos nascido neste planeta. Há muitas lições para serem aprendidas. E todas as atribulações que enfrentamos fazem parte deste processo. Os guias não podem simplesmente tirar isso de nós. Para a nossa mente limitada, pode ser um fato negativo determinada dificuldade. Aos olhos de Deus, muitas vezes é justamente o que precisamos para vencer algo negativo que vive dentro de nós.

Você pode até recorrer a outros lugares onde é realizado trabalho com determinadas magias. Mas entenda, se não há merecimento, o problema reaparece com uma nova forma. Enquanto o aprendizado não acontece, você fica preso a padrões repetitivos em sua vida.

Busque a Umbanda por amor aos guias e Orixás. Abra seu coração para isso. Nossa religião não se resume a fazer pedidos. Ela pode sim te ajudar em alguns assuntos materiais, há muitos relatos de verdadeiros milagres, mas este não é o objetivo principal.

É preciso, antes de tudo, mudar por dentro. Alguns problemas somente se resolvem assim. Enquanto houver teimosia e insistência no erro, a situação persiste. E a Umbanda está ali para te ajudar a desenvolver-se moral e espiritualmente. Quando você compreender isso, saberá agradecer cada dificuldade que passou. Cada uma, por mais sofrimento que tenha causado, trouxe aprendizado para o seu espírito.

Saravá a todos!

Dia de comemorar os 111 anos da Umbanda! Conheça a história e a letra do hino.

“Hino da Umbanda é emocionante, não é mesmo?

Mas será que você conhece a letra inteirinha, sem errar?

Pois além de todo conhecimento que a Umbanda nos traz, a religião também é emoção e alegria!

Acompanhe abaixo o Hino completo!


Hino da Umbanda

Refletiu a Luz Divina
Com todo seu esplendor
Vem do reino de Oxalá
Aonde há paz e amor

Luz que refletiu na terra
Luz que refletiu no mar
Luz que veio de Aruanda
Para nos iluminar

Umbanda é paz e amor
Um mundo cheio de Luz
É força que nos dá vida
E a grandeza nos conduz

Avante, filhos de fé
Como a nossa lei não há
Levando ao mundo inteiro
A bandeira de Oxalá

Levando ao mundo inteiro
A bandeira de Oxalá

Quem é o autor do Hino da Umbanda?

O Hino da Umbanda foi composto por José Manoel Alves (letra) e Dalmo da Trindade Reis (música) em 1961.

Aliás, José Manoel Alves era cego.

Assim, sua busca por uma cura o levou até o Caboclo das Sete Encruzilhadas.

Embora não tenha conseguido seu intento, ficou apaixonado pela religião e compôs uma canção para homenageá-la.

Dessa forma, apresentou a letra ao Caboclo das Sete Encruzilhadas, o qual tanto a apreciou, que resolveu nomeá-la como Hino da Umbanda.”

Salve a nossa Umbanda!🙏

Fonte: Umbanda eu curto

🍽 Fotos da feijoada 2019

E a nossa feijoada foi um sucesso!
Nosso Chef e amigo Sérgio Cajaraville preparou um feijoada maravilhosa! O que ela estava de bonita, estava de saborosa. Parabéns pra você e a nossa equipe da cozinha.

Agradecemos à todos pelo apoio/ajuda aos que puderam estar presentes tanto físicamente como de coração. Vocês fizeram dessa linda confraternização um sucesso! Foi um domingo delicioso com reencontros de pessoas queridas, repleto de alegria e amor.

E lembrando que hoje teremos sessão de Pretos Velhos às 19h. E estaremos vendendo alguns doces da feijoada na cantina. Quem não teve a oportunidade de comer bolo formigueiro, quindão, doce de banana..aproveitem!!!

A Casa de Jurema agradece o carinho. 🌻