Convite – Feijoada do CECJ

convite-confraternizacaoAmigos, convidamos a todos para a Feijoada de Confraternização dos Amigos da Casa de Jurema. O evento ocorrerá no dia 07 de junho de 2015, de 13:00 às 17:00 na Rua Raul Barroso, 24, bairro do Engenho Novo, na Associação Beneficente São Francisco de Assis.

O ingresso custa R$15,00 e pode ser adquirido na secretaria da nossa casa (não serão vendidos ingressos no local).

Contamos com sua presença!

Continue lendo…

Bem Vindo

Bem vindo ao site do Centro Espírita Casa de Jurema.

O intuito desta página é mantê-los informados sobre nossos dias e horários de sessões (festivas ou regulares), assim como trazer informações a respeito da Umbanda, fotos das nossas sessões festivas, entre outros informativos.

Confira abaixo nossa agenda.

Paz e Luz.

Convocação de Assembléia Geral Ordinária

No exercício da Presidência do Centro Espírita Casa de Jurema e conforme o Artigo 6o do Estatuto do Centro Espírita Casa de Jurema (CECJ) convoco todos os sócios adimplentes do CECJ para Assembleia Geral Ordinária no dia 20/08 (quarta-feira) às 19h em primeira convocação nas dependências do CECJ para deliberar sobre os seguintes pontos:

(1) Eleição da nova diretoria para o período de Setembro
de 2014 a Setembro de 2017;
(2) Alteração do Estatuto visando sua atualização;
(3) Proposta de ação da Nova Diretoria; e
(4) Assuntos Gerais.

Rio de Janeiro, 04 de agosto de 2014

Sérgio Bonecker
Presidente do CECJ

Para visualizar o documento da Convocação clique no link:

http://pt.slideshare.net/Danybrx/concovao-de-assembleia-geral-2014-1-1-37642829

Cabe num livro?

Há poucos dias, veio a notícia de que uma decisão judicial havia declarado que a Umbanda e o Candomblé não poderiam ser consideradas religiões por não se basearem em um “livro sagrado”. Depois, tal decisão foi, neste aspecto, retificada. Menos mal… Afinal, o Brasil é um Estado laico! E não cabe a nenhum dos seus Poderes— ou a qualquer pessoa, associação ou instituição— praticar, disseminar ou consentir em atos de discriminação religiosa, pois assim dispõe a Constituição Federal (artigos 3º, incisos I a IV, e 5º, inciso VI). Continue lendo…

Terreiro de Umbanda


Terreiro é Embaixada da Aruanda
No tumulto da Humanidade;
É Território da Caridade onde
Só se faz o que Oxalá manda.

Terreiro é porto seguro, abençoado cais
É celeiro de Alimento Espiritual;
Terreiro é canteiro de Obras Astrais
É Templo, Escola, Farmácia e Hospital

Terreiro é fortaleza e abrigo de toda gente
É oficina do Caráter e da Mente;
Terreiro é mansão humilde,
Terreiro é casebre imponente

Terreiro é cristal minúsculo, Que reflete a Imensidão
Terreiro é lâmpada da Fé acesa no Santuário do Coração

Terreiro é teatro e consultório
Onde Doutor de saber notório
Na forma de Preto Velho simplório,
Semeia a Paz e a Mansidão

Terreiro é síntese da Raça Humana;
É Fonte de Luz de onde emana
Alegria, Paz, Amor, Harmonia e Compaixão

Terreiro é chakra que gira como girassol no verão
Girando a Roda da Vida, No sentido da Evolução

Terreiro é portal de comunicação,
É ponto de encontro do Destino
Terreiro é elo de ligação
Entre o Humano e o Divino

Terreiro é Espaço Sagrado
Onde o Tempo desaparece
Ao som de um ponto cantado –
A mais linda Prece

Terreiro, mesmo pequenino, Abraça o mundo inteiro…
Se o planeta é uma Aldeia, Seu Pajé é o Caboclo brasileiro!

Mensagem de ZÉ FIRMINO DO BONFIM. Pelo médium VANDERLEI ALVES. Publicada no Jornal de Umbanda Sagrada em Fevereiro de 2014. 
Fonte: http://www.colegiopenabranca.com.br/jornais/2014/Ano%2014%20Ed%20165%20Fev%202014.pdf

Umbandas – Por Alexandre Culmino

Há quem defenda um “tipo ideal” de Umbanda, descartando outras formas de praticá-la. Assim uns reconhecem e outros negam as várias Umbandas, aceitam ou refutam a “Umbanda do Outro Umbandista”.
Creio que podemos trilhar um caminho do meio, no qual a Umbanda é uma na essência com diversas formas de manifestação.
O UM da Unidade e a BANDA da Diversidade. O Uno e o Verso deste Universo Umbandista.
A liberdade litúrgica permite certas variantes, desde que estas não desvirtuem seus fundamentos básicos. A pluralidade deve existir enquanto não coloca em risco a unidade.
Por unidade podemos entender seus  fundamentos básicos, o que deve estar presente em todas as formas ou pelo menos na maioria delas. Portanto é pela unidade que definimos Umbanda e não pela diversidade, que são as diversas maneiras de praticar esta unidade, os as partes deste TODO.
Por exemplo, podemos ter como fundamento básico de sua unidade a definição de Umbanda, primeira, dada pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, por meio de seu médium Zélio de Moraes, em 1908: “Umbanda é a manifestação do espírito para a prática da caridade”. Esta definição está em sua unidade, pois faz parte de seus fundamentos básicos, não cobrar pelos trabalhos, logo ela pode ter variantes mas nenhuma das tais deve apresentar-se cobrando para realizar trabalhos espirituais.
Assim como é fundamento: Aprender com quem sabe mais e ensinar com quem sabe menos. Umbanda é Amor, Fé e caridade. Conceitos, também, do Sete Encruzilhadas.
Guardando esta Unidade muitos assumem para si um posicionamento dentro da pluralidade, se auto qualificando, vejamos abaixo um pouco desta diversidade:

UMBANDA BRANCA:

O termo pode ter surgido da definição de Linha Branca de Umbanda usada por Leal de Souza, primeiro autor umbandista e médium preparado por Zélio de Moraes. A idéia é de que a Umbanda era uma “Linha” do Espiritismo ou uma forma de praticar Espiritismo.

UMBANDA PURA:

Conceito usado no Primeiro Congresso de Umbanda em 1941, adotado pelo o grupo que assumiu esta responsabilidade e lutou pela legitimação da religião na década de 40.

UMBANDA POPULAR:

É a prática da religião de Umbanda sem muito conhecimento de causa, sem estudo ou interesse em entender seus fundamentos. É uma forma de religiosidade na qual vale apenas o que é dito e ensinado de forma direta pelos espíritos. O único conhecimento válido é o que veio de forma direta em seu próprio ambiente ritualístico, dentro de seu terreiro.

UMBANDA TRADICIONAL:

Serve tanto para identificar a “Umbanda Branca”, “Umbanda Pura” ou “Umbanda Popular”. Que são as formas mais antigas e conhecidas de praticar Umbanda, muito embora este perfil esteja mudando.

UMBANDA ESOTÉRICA OU INICIÁTICA:

É uma forma de praticar a Umbanda fundamentada no esoterismo europeu. Foi idealizada com inspiração na obra de Blavatski, Ane Bessant, Saint-Yves D’Alveydre, Leterre, Domingos Magarinos, Eliphas Levi, Papus e etc. O primeiro autor que trouxe este tema para a literatura umbandista foi Oliveira Magno, 1951, com o título A Umbanda Esotérica e Iniciática.

UMBANDA TRANÇADA, MISTA E OMOLOCÔ:

Umbanda com maior influencia dos Cultos de Nação ou Candomblé. Alguns chamam esta variação de Umbandomblé. O autor, médium, sacerdote e presidente de Federação que mais defendeu esta forma de praticar umbanda foi o conhecido Tatá Tancredo. Autor de Doutrina e Ritual de Umbanda, 1951, em parceria com Byron Torres de Freitas.

UMBANDA DE CABOCLO:

É uma variação de Umbanda onde prevalece a presença do caboclo, acreditando que a Umbanda é antes demais nada a pratica dos índios brasileiros. Decelso escreveu o título Umbanda de Caboclo para explicar esta forma de Umbanda.

UMBANDA DE JUREMA:

Forma combinada com o Catimbó Nordestino. Seu principal fundamento é o uso da Jurema Sagrada, como bebida e também misturada no fumo. Deste culto, a Umbanda herdou a manifestação do Mestre Zé Pelintra,que pode vir como Exu, Baiano, Preto-Velho ou Malandro.

UMBANDA CRISTÃ:

Ao dizer qual seria o nome do primeiro templo da religião, Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade, porque “assim como Maria acolheu Jesus da mesma forma a Umbanda acolheria os filhos seus”, o Caboclo das Sete Encruzilhadas já dava uma diretriz cristã a nova religião.
Jota Alves de Oliveira escreveu um título chamado Umbanda Cristã e Brasileira: A Orientação Doutrinária do evangelizado Espírito do Caboclo das Sete Encruzilhadas nos levou a considerar e historiar seu trabalho enriquecido das lições do evangelho de Jesus, com a legenda: Umbanda Cristã e Brasileira.[1] Outro elemento que endossa a qualidade cristã da Umbanda é o arquétipo dos Pretos e Pretas-velhas, são ex-escravos batizados com nomes católicos e que  trazem muita fé em Cristo, nos Santos e Orixás.

UMBANDA SAGRADA OU UMBANDA NATURAL:

Quando começou a psicografar e dar palestras, Rubens Saraceni sempre fazia questão de se referir à Umbanda como Sagrada. Não havia intenção de criar uma nova Umbanda, apenas ressaltar uma qualidade inerente à mesma. Na apresentação de seu primeiro título doutrinário Umbanda – O Ritual do Culto à Natureza, publicado em 1995, afirma que o livro em questão guarda uma coerência bastante grande, o de trilhar num meio termo entre o popular e o iniciático, ou entre o exotérico e o esotérico. Já no Código de Umbanda, no capítulo Umbanda
Natural, cita: Umbanda Astrológica, Filosófica, Analógica, Numerológica, Oculta, Aberta, Popular, Branca, Iniciática, Teosófica, Exotérica e Esotérica. Para então afirmar que: Natural é a Umbanda regida pelos Orixás,que são senhores dos mistérios naturais, os quais regem todos os pólos umbandistas aqui descritos. Muitos optam por substituir a designação de “Ritual de Umbanda Sagrada”, dada á Umbanda Natural […] Fica claro que para o autor a Umbanda é algo natural e sagrado, adjetivos que se aplicam ao todo da Umbanda e não a um segmento em particular. Nolivro As Sete Linhas de Umbanda volta a citar as várias “umbandas” e comenta que na verdade, e a bem da verdade, tudo são segmentações dentro da religião Umbandista […]

QUALIFICAR OU NÃO QUALIFICAR?

Há ainda outras qualificações e até a Umbanda deste ou daquele. Por mais válidos que sejam os adjetivos e qualificações, por mais que se auto afirmem ser “a verdadeira” Umbanda, a “Umbanda Pura”, original ou primordial. Nenhuma destas partes dá conta do TODO. Pela “parte” não se define o “todo”, no entanto, pela “unidade” se busca uma “essência”, um fundamento e base. Esta unidade é a sua base fundamental. É possível, também, praticar Umbanda, livre de qualificações basta dizer “Sou Umbandista” e ponto final.

Este texto é parte do livro “História da Umbanda”, lançado em Agosto de 2010, na Bienal do Livro em São Paulo, pela Editora Madras. Aqui o texto foi editado e adaptado para o Jornal de Umbanda Sagrada.

Fonte: Culmino, Alexandre. Umbandas. Jornal de Umbanda Sagrada. Ano X. Nº 122. Julho de 2010. p.8-9